MANDELA EM SÃO PAULO

Oscar Niemeyer, Ayrton Senna e Chico Buarque ganharam a companhia de Nelson Mandela no panteão de personalidades que têm o rosto estampado em prédios da capital paulistana. O retrato do
advogado e ex-presidente da África do Sul, inaugurado em 27 de outubro, traz traços e influências
dos artistas Diego Mouro e Criola, que assinam em dupla a obra. Com 25 metros de altura, a empena de cores vibrantes, com flores e o animal típico da África do Sul, levou onze dias para ser finalizada. Praça Marechal Deodoro, 170, Santa Cecília.PUBLICIDADE

 Cidadelas imaginárias, feitas por Tarik Klein

Cidadelas imaginárias, feitas por Tarik Klein (Tarik Klein/Divulgação)

>CIDADE IMAGINÁRIA NO POSTO

A mão livre, o artista Tarik Klein criou uma cidadela imaginária nos muros de um posto de gasolina em perdizes. o olhar navega continuamente pela obra, devido às numerosas escadas e aos patamares que têm inspiração no traço do holandês Escher (1898-1972). Aqui e acolá, aparecem vasos com plantas que pontuam a paisagem que Klein denomina de Oníria. Rua Cayowaá, 229, Perdizes.

 Mural de Paulo Ito na região central de São Paulo

> INDÍGENAS EM RISCO EM CAMPOS ELÍSEOS

É preciso ficar na esquina da Rua General Rondon com a Alameda Barão de Limeira para ver o mural que o artista paulistano Paulo Ito fez. O trabalho, financiado pelo Greenpeace e parte do projeto Arte Tapajós, retrata a etnia Munducuru, que tenta barrar a construção de uma usina hidrelétrica em seu território. Alameda Barão de Limeira, 340, Campos Elíseos.

 Mural do grupo OPNI, em São Mateu

> AS CORES DE SÃO MATEUS

O bairro Cidade São Mateus, na Zona Leste, tem um roteiro de grafites que conta com mais de 300 obras de artistas como Boleta, Enivo e Alex Senna. Na Rua Vittório Azzalin, observa-se um mural de mais de 5 metros feito pelo Grupo OPNI, que mantém a menos de 100 metros dali a Favela Galeria. No grafite, ao fundo, como uma referência onipresente, está o rapper Sabotage (1973-2003). Rua Vittório Azzalin, 76, Cidade São Mateus.

> MURAL COLABORATIVO NO AROUCHE

 Mural no Arouche: Tinho e Carlos Vergara juntos

Carlos Vergara e Walter Nomura, mais conhecido como Tinho, fizeram duas obras colaborativas para a primeira edição do festival O.bra. Uma delas, no Largo do Arouche, mostra uma mulher que abraça um urso de pano e ganha a companhia de uma sombra. Sobre uma possível melancolia na cena, Tinho afirma: “Consideramos todas as leituras válidas. Uma vez que o trabalho te atinge, ele te pertence”. Largo do Arouche, 207, República.

error: Conteúdo protegido por direitos autorais.