Seis empresas que estão no estado desde 1997 devem devolver o controle das rodovias federais em 2021, quando vencem os contratos firmados no governo Jaime Lerner.

Os contratos entre governo e concessionárias de pedágio que operam no Paraná não serão renovados, confirmou o Ministério dos Transportes.

As seis empresas que estão no estado desde 1997 devem devolver o controle das rodovias federais em 2021, quando vencem os contratos firmados no governo Jaime Lerner.

Na prática, as concessionárias têm mais três anos para administrar as estradas federais que compõem o chamado “Anel de Integração” e, portanto, para cobrar pedágio. Com o fim dos contratos, a responsabilidade pelas estradas volta a ser só da União.

O Ministério dos Transportes informou que já está concluindo os estudos sobre a possibilidade de criar um novo programa de concessões, contratado e administrado pela União, mais atraente para todos os envolvidos – em especial, para os usuários das rodovias.

Hoje, o estado tem uma das tarifas de pedágio mais caras do país. Para quem não se lembra, a decisão foi anunciada poucos dias depois dos contratos de concessão entrarem na mira da Operação Lava Jato e confirmada pela nova gestão da pasta.

Uma empresa investigada é a Econorte, responsável por um trecho com pedágio no Paraná. De acordo com o Ministério Público Federal (MPF), um esquema de corrupção permitia o superfaturamento de obras e pagamento de propina para maquiar serviços não prestados.
Foram presos o diretor da Econorte e o diretor do Departamento de Estradas de Rodagem do Paraná (DER-PR), entre outros, todos suspeitos de integrarem o esquema.

Em nota, o Departamento de Estradas de Rodagem (DER) informou que é contra a renovação dos atuais contratos de pedágio e que o governo do estado já descartou a renovação.

Segundo o DER, a partir de 2021 não haverá mais cobrança de pedágio nas rodovias estaduais administradas pelas concessionárias.

Além da Ecocataratas, responsável pelo trecho da BR-277 entre Foz do Iguaçu e Guarapuava, atuam no Paraná a Econorte, Viapar, Caminhos do Paraná, Rodonorte e Ecovia.

Na praça de Cascavel por exemplo, atualmente o preço é de R$ 12,50, chegando a R$ 15,70 em São Miguel do Iguaçu.

A Associação Brasileira das Concessionárias de Rodovias informou que cabe aos governos estadual e federal a definição do destino das concessões do Anel de Integração.

error: Conteúdo protegido por direitos autorais.